RURÓPOLIS: vereadores faltam à sessão extraordinária e PCCR não é debatido

Câmara de Vereadores de Rurópolis

Dos vereadores que compõem o plenário apenas o vereador Marcos Furtado compareceu.

Da mesa diretora compareceram o Presidente, vereador Anderson Guimarães; Vice Presidente, vereador Jonas Lourenço e Primeiro Secretário, vereador Sérgio Ribeiro, que abriram e fecharam a sessão extraordinária por falta de quórum.

Sessão Extraordinária esvaziada

Os vereadores Raimundo Nonato, Marcelo Duarte e Maciel Albuquerque divulgaram uma nota de esclarecimento em rede social justificando suas ausências, entre outros motivos, em razão do “curto espaço de tempo, inviabilizando uma análise correta deste [readequação do PCCR].

Ausentaram-se também da sessão os vereadores Robson Alves, Elias Zanetti, Guto Touta, Edgar da Rocha, Esmael Carvalho e Sebastião Rodrigues.

Enquanto a estes vereadores até o fechamento da matéria NoBarzinho não conseguiu nenhuma justificativa.

NOTA DO EDITOR

Rurópolis e suas velhas práticas política. Uma sessão esvaziada impediu até mesmo o debate de um tema tão importante para os servidores e futuros servidores, que almejam fazer parte da Administração Pública por meio de um concurso público e não por uma mera indicação política.

O Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações, conforme aponta o vereador Marcos Furtado [único vereador da plenária a comparecer] estava cheio de incoerências, com desvalorização salarial de muitos cargos. De toda sorte, o referido vereador compareceu. Este editor pensa que a sociedade ruropolense merecia que todos os vereadores comparecesse e na sessão extraordinária justificasse seus votos, sejam eles contra ou a favor do PCCR apresentado pelo Executivo Municipal.

Há que se ponderar que ser contrário a um PCCR capenga não implica dizer que o vereador é contra o concurso. O Executivo Municipal usa essa condicionante [aprovação da readaptação do PCCR] para realizar o concurso público. O que é muito estranho já que muitos órgão realizam concurso público até mesmo sem PCCR, e no caso de Rurópolis se trata de uma “readaptação” de PCCR.

Enfim, segue o baile! E o prazo estabelecido por sentença judicial da realização de todas as fases do concurso é até o maio de 2019.

 

Por NoBarzinho com Nota de Edição de Mábio Furtado

Comentário