Não adianta chorar!

upload-20130703174804comissaodaverdade (1)

O relatório da Comissão da Verdade só escancarou o que todos já sabiam: o período militar foi aterrorizante. As maiores atrocidades foram cometidas nessa época, infelizmente, os dados apresentados pela Comissão apenas servirá para acervo das bibliotecas deste país.

A Comissão da Verdade foi criada em 2011 e, instalada no ano seguinte, sua incumbência era investigar os crimes cometidos contra os direitos humanos praticados no Brasil entre 1964 e 1988. Foram coletados diversos depoimentos, alguns em audiências reservadas.

Conforme foi publicado na edição eletrônica da Carta Capital “sem a revisão da Lei de Anistia, é inútil listar os crimes da ditadura militar”. Acabou sendo essa a função da Comissão da verdade, listar os crimes. No entanto, foi importante o trabalho da Comissão da Verdade, expôs os dados ocultados durante o período militar. Porém, é preciso muito mais para afagar os corações das famílias que perderam seus parentes nesse período obscuro da nossa história.

O título da matéria da Carta Capital retrata bem o ocorrido com o relatório da Comissão em foco “A verdade jogada ao lixo”. Segundos dados finais  dele, foram apresentados 377 transgressores dos direitos humanos, destes, 196 permanecem vivos – não se podendo fazer nada contra eles. As pessoas, mormente os familiares das vítimas, esperavam muito mais do que dados numéricos das aberrações cometidas na ditadura militar. A sociedade aguardava a punição destes monstros.

Segundo o advogado Pedro Dallari, o relatório poderia ser ainda mais completo caso houvesse a colaboração dos militares. “Não avançamos muito na localização dos restos mortais, e isso se deve, sobretudo, à falta de colaboração dos militares.”

Esse é o Brasil que alguns desejam ter de volta. O retorno dos militares ao poder deveria ser algo inimaginável. Evoluímos, ou pelo menos, deveríamos ter evoluído. Em nome de um suposto “Estado Democrático de Direito” pessoas foram assassinadas e, aos familiares não foi dado, se quer o direito de enterrá-los. “De que adianta as lágrimas agora?”

indigenas-tortura

 

Texto: Mábio Furtado

Referência textual: “A verdade jogada ao lixo: Sem a revisão da Lei da Anistia, é inútil listar os crimes da ditadura”Link: http://www.cartacapital.com.br/revista/830/a-verdade-jogada-no-lixo-2063.html

Imagens: Google.com.br

Comentário