Professores de Rurópolis (PA) entram em estado de greve por 15 dias!

 

11020304_1009965455698758_1737393545_nOntem, dia 20/02/2015, o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública do Pará  (SINTEPP) Rurópolis, decidiram em Assembleia Geral o estado de greve por 15 dias. Caso as reivindicações não sejam atendidas nesse lapso de tempo os professores irão entrar em greve.

O professor da rede municipal de ensino, Robson Amaral, esclarece a NoBarzinho que a Secretaria Municipal de Educação (SEMED) vem desprestigiando a classe dos professores. Na campanha política passada, houveram algumas reivindicações e a principal era o reajuste salarial. Ademais, ficou subentendido que haveria a reformulação do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) dos professores, além disso, a direção seria democrática nas escolas. Ocorre, no entanto, que nada disso aconteceu.

” … mas o que presenciamos hoje é totalmente o contrário do que foi pregado antes, pelo secretário de educação e sua comissão, pois até os direitos dos servidores da educação, garantido pelo PCCR, foi suspenso e ainda para completar o pacote, o piso salarial reajustado pelo governo federal em 13,01% foi ignorado por essa gestão, alegando um declínio no número dos alunos” pondera Robson Amaral 

Corroborando o dito pelo Professor em epígrafe, NoBarzinho, recebeu essa mensagem de um cidadão livre (CL), vejamos ” há quatro anos atrás no intuito de apenas promover e fazer politicagem para mobilizar uma campanha em favor do atual Prefeito, um pequeno grupo de educadores, apoiando-se e aproveitando-se dos anseios do SINTEPP e da grande maioria da classe dos professores, mobilizaram uma campanha contra o até então Gestor Público daquele período”

Acontece, porém, que segundo esse CL “os professores se manifestaram, desgastaram-se por uma política de valorização dos professores, mas isso não deu em nada; além apenas do desgaste físico e mental. O final do movimento foi triste e desmotivador, os professores saíram desacreditados da justiça e companheirismo”

Tentando evitar o já ocorrido em anos anteriores e considerando, conforme informou o Professor Robson Amaral, a falta de prestígio que a classe vem tendo. O SINTEPP realizou, ontem, uma Assembleia Geral para debater a situação dos professores ruropolenses.

O professor em destaque informa a NoBarzinho que a SEMED usa como argumento para o não atendimento das reivindicações da classe a queda no número de alunos. Verifica-se, contudo, segundo aclara o educador Robson Amaral “no início de 2014 com a suspensão dos direitos dos servidores como licença premio, progressões e outros, fizeram mais de 200 contratações, isso revela uma incoerência na justificativa de que a educação passa por problemas financeiros”. 

Portanto, NoBarzinho, acredita que – opinião nossa – transparência seria a melhor forma de resolver essa pendenga entre professores e SEMED – é preciso jogar limpo, “papo-reto” . Nenhuma classe merece passar por isso, em especial, a dos professores. Uma boa conversa, explicando como funciona receita e despesa, demonstrando as limitações da Secretaria Municipal de Educação poderia acalmar um pouco os ânimos dos professores.

Os professores precisam ser valorizados, essa é a classe mais importante de um município, como diria Alexandre Gárcia “Professor é qualidade … prefeitos, vereadores que oferecem pouco ao professor, talvez não tenham tido professores dedicados… pagam o mínimo, abaixo do mínimo, porque não podem pagar pior (…) Um vereador pode até fazer leis, mas não faz um país com saber, conhecimento, informação e cultura, isto é o que o professor faz (…)” 

10994718_1009965719032065_1698979350_n

Nascimento

11006030_1009965345698769_1858489467_n

10951951_1009965545698749_1444739589_n

 

 

 

Um comentário sobre “Professores de Rurópolis (PA) entram em estado de greve por 15 dias!

  1. Muito válida a iniciativa. Claro todo este impasse poderia ser evitado, se os gestores olhassem com mais carinho para toda a classe que dar tudo de sí para educar melhor os filhos e filhas dos munícipes de Rurópolis.
    MEU TOTAL APOIO.

Comentário