AVEIRO: professores denunciam prefeito por atraso de salários

Em entrevista a TV Impacto professora denúncia prefeito Vilson Gonçalves por atraso de salários

Segundo informou o Sintepp, não foram pagos os salários do mês de novembro, dezembro e décimo terceiro.

Os servidores do sistema municipal de ensino de Aveiro, município com pouco mais de 15 mil habitantes, localizado às margens do Rio Tapajós, vivem momentos de dificuldade extrema.

De acordo com a professora Núbia Daniela Lima, Coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) de Aveiro, são grandes as mazelas enfrentadas pela categoria, frente ao descaso do poder público municipal, cuja gestão é de Vilson Gonçalves.

A denúncia protocolada no Ministério Público, questiona a falta de pagamento regular dos professores, mesmo com os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) sendo repassados em dia pelo governo federal.

Os atrasos na remuneração dos professores tornaram-se frequentes, desde que Vilson Gonçalves assumiu o executivo, relata a professora Núbia Daniela Lima. Depois de muita insistência, a questão também está sendo apurada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada na Câmara de Vereadores, revela a denunciante.

DINHEIRO NA CONTA, GASTOS QUESTIONADOS

Conforme relata a professora Núbia Daniela Lima, existe uma grande incoerência na justificativa repassada pelo prefeito Vilson Gonçalves, quando questionado os motivos pelo não pagamento.

“A única resposta que a gente tem do governo hoje, é que não há recurso para pagar. Ele simplesmente diz que não tem como pagar e fica um ponto de interrogação, uma vez que o recurso, o dinheiro do Fundeb, cai na conta do Fundeb regularmente. A previsão de 2018 dos recursos Fundeb era um pouco mais de 12 milhões e no final do ano, constatamos no mês de dezembro, que caiu mais de 13 milhões. Então, como não tem dinheiro? ”, questiona a representante do Sintepp.

Por: Edmundo Baía Junior [texto completo no site O Impacto]

Fonte: RG 15/O Impacto

Comentário